This post is trending. 68 Visualizações

Malária zero começa comigo, contigo, com todos nós

Mudanças começam a partir de pequenas acções

O dia 25 de Abril é conhecido como o mundial da Malária, e como símbolo de consciencialização foi criado um projecto com o tema “Malária Zero Começa Comigo” em França, Paris.

Reprodução/Facebook

Todos os anos, em África, cerca de 500 mil pessoas morrem por causa da Malária. Desse número, 70% são crianças, menores de 6 anos. Em Angola, no ano 2018, dos 1,5 milhões de casos apresentados, 3.853 culminaram em óbito, nos primeiros 6 meses. E eu não pude deixar de aproveitar esta data, para passar algumas informações indispensáveis para ti. Porque afinal, malária zero começa comigo, contigo e com todos nós.

100% da população Angolana está em risco

www.msf.org.br

A malária é uma doença presente maioritariamente em áreas tropicais, obviamente Angola sendo uma área tropical, não podia ser diferente. Por isso, estamos todos em risco.

Segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde, as províncias do Cuanza Norte, Bengo e Huambo são as regiões mais endémicas. As taxas mais altas são vistas no norte, enquanto aumentos súbitos ou epidêmicos no número de casos de malária caracterizam o sul. As quatro províncias dessa última região, têm transmissão sazonal e são propensas a epidemias.

A doença não é contagiosa

Estamos todos em risco, sim! Mas a malária não é uma doença contagiosa. Contrariamente, ela, a malária, é uma doença parasitária. A parasita é transmitida através da picada da fêmea de um mosquito infectado. Esses mosquitos, geralmente picam entre o anoitecer e o amanhecer.

Pode ser evitada, detectada e tratada

www.msf.org.br

Angola desenvolveu, em 2016, um Plano Estratégico Nacional de Controlo da Malária. O objetivo global, é alcançar uma redução de 60% na mortalidade e morbidade relacionada à malária até 2020.

Alguns dos planos estratégicos traçados são:


• Prevenir a malária através de redes tratadas com insecticida, pulverização interior e exterior e prevenção da malária durante a gravidez;

• Todos os casos suspeitos confirmados por microscopia ou por testes de diagnóstico rápido (RDT);

• Criar estruturas regionais e nacionais de notificação em todos os estabelecimentos de saúde, e assegurar que todas as unidades de saúde estejam equipadas com medicamentos e produtos de combate à doença.

Infelizmente existem muitos desafios

Nytimes.com

Por causa da situação econômica do país, o Governo Angolano tem tido dificuldades em seguir com os programas de investimentos. Há tantos desafios, mas a maioria deles podem ser derrotados com recursos financeiros.

O maior problema, é a limitação do sistema de saúde porque as comunidades mais afetadas vivem longe das unidades de saúde, e o acesso aos serviços de saúde é muito baixo. Para além disso, a capacidade de recursos humanos continua a ser um grande desafio em Angola. É necessário uma melhor formação do pessoal existente no tratamento e diagnóstico da malária, a fim de reduzir o fardo da doença em Angola.

Graças ao avanço da ciência medidas estão a ser tomadas

Nytimes.com

Com o apoio da ONU, uma nova vacina contra a malária será disponibilizada, pela primeira vez, depois de 30 anos de desenvolvimento. Em uma primeira fase, os testes serão feitos em Malaui.

É muito importante que estejamos conscientes de que devemos todos assumir um compromisso para salvar vidas e ajudar comunidades a crescer com a luta contra a malária. Essa doença, que ameaça metade da população mundial e mata uma criança a cada dois minutos, não só depende de organizações governamentais ou não governamentais, mas também depende de mim, de ti e de todos nós.

Deixa uma dika!

Conteúdo Viral

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *